Internet na sala de aula para universidades e ensino médio

01/08/2005 § 23 Comentários

Entrevista – Pesquisar as novas tecnologias em educação atrai professores de diversos níveis de ensino. Monica Mandaji é um exemplo de profissional que transita em diversas áreas da educação e aumenta cada vez mais sua formação em tecnologia educacional. Professora universitária, Monica é professora de Novas Tecnologias em Comunicação na PUC-SP e finalizou um trabalho de formação de professores no projeto Teia do Saber. Conversamos mais com a professora sobre tecnologia e educação em diversos níveis de ensino.

monica130.jpg

“Dar notas baixas a quem faz trabalhos com material de sites é perda de tempo”, diz Monica Mandaji. (Crédito: Reprodução)

Conte um pouco sobre sua participação no projeto Teia do Saber. Dentro da esfera pública, a tecnologia educacional é vista como uma ferramenta importante na sala de aula?

Bem, o Teia do Saber é um programa do governo estadual que visa capacitar professores, através de uma atualização de saberes. Eu tive a oportunidade de trabalhar por um ano e meio junto a professores da rede da região da Grande São Paulo. Tive contato com professores em níveis diferenciados de conhecimento em informática. Trabalhamos com editores de texto básicos até a navegação na Internet (criação de blogs, bate-papos e outros recursos que podem ser utilizados na sala de aula). Sobre essa experiência escrevi um trabalho chamado “Internet na Prática Social”. Nele, conto um pouco do processo de ensino e aprendizagem destas novas tecnologias mostrando a realidade dos grupos apresentados.

Na sua experiência na PUC-SP você dá aulas sobre a utilização da tecnologia como ferramenta profissional. Como é essa experiência no dia-a-dia?

Na PUC-SP sou professora de Novas Tecnologias em Comunicação e apesar do público universitário ter mais acesso às tecnologias de informação, também precisa de orientação na utilização da Internet. Em termos de carreira, o aluno universitário acaba sendo levado a sonhar com algo bem tradicional. Ainda não compreende as mudanças criadas pela internet. Quando apresentamos a dimensão que se abre com a tecnologia, em principio há resistências mas logo são modificados alguns paradigmas.

Há diferenças entre os alunos que acessam a internet apenas para copiar informações e os que têm optam por produzir um trabalho? Como você vê as questões da ética e da criatividade no uso da web?

Tudo que é proibido sempre atrai alunos rebeldes. Tenho discutido muito com meus colegas professores sobre a utilização da Internet em pesquisa, alguns professores proíbem seus alunos de utilizarem a internet em trabalhos, dando notas baixas caso consigam identificar o material em algum site. Na minha opinião, isso é uma grande perda de tempo. O aluno que não quer estudar sempre vai dar um jeitinho de fazê-lo. Eu tento discutir com meus alunos as fontes que foram utilizadas, sua credibilidade, e os encorajo a utilizarem sempre mais de uma fonte tentando abarcar vários pontos de vista sobre um mesmo assunto.

Anúncios

§ 23 Respostas para Internet na sala de aula para universidades e ensino médio

  • Carolina disse:

    Acredito que tudo que é proibido é mais gostoso então é melhor mesmo fazer com que os alunos reflitam sobre onde estão buscando suas fontes de pesquisa

  • Wagner Moschella disse:

    Em minha opinião não somente os alunos e professores devem utilizar a Internet como um instrumento a mais de trabalho como também os professores deveriam incentivar o seu uso.
    A questão de cópias de materiais publicados tenho evitado através de temas que exijam uma ação reflexiva por parte do aluno onde a Internet serviria somente como fonte de informações.
    Prof. Ms. Wagner Moschella

  • Helena disse:

    Sobre o uso da internet pelos alunos em seus trabalhos, concordo com a professora Monica, entendo que o mais importante é ajudá-los a conhecer boas fontes de pesquisa disponíveis, a interpretar o que encontram, estimulá-los a produzir seus argumentos. O problema não é novo: seja usando o meio impresso, seja no meio digital, quem quiser copiar pode fazê-lo e até ter o êxito de não ser pego.
    A proliferação de informações na internet pode incentivar a cópia, mas essencialmente traz a necessidade crescente de se ler, analisar, escolher a boa informação, separar o joio do trigo.
    Assim, acho que o foco deve estar do lado positivo, no incentivo à pesquisa e na criação de uma visão crítica, e também, por que não, na produção de conteúdo para a internet:
    em vez de copiar, por que não produzir e divulgar?

  • Mary Grace disse:

    Acho que é importante pensar no que é pedido aos alunos como forma de pesquisa.
    Se o professor simplesmente lança um tema “amplo” sem solicitar nenhuma abordagem ou problematica para o assunto, o aluno irá copiar e até com razão… pois percebe que se há tanto material na internet dizendo exatamente o que o professor solicitou é porque não há o que pesquisar.
    Por outro lado, se as questoes partem dos proprios alunos, por meio da mediação do professor ou este lança algum desafio despertando a curiosidade nos alunos, aí sim, ficarão motivados a pesquisar.
    A WebQuest é uma das propostas de trabalho nesta linha, quando bem elaborada. Outra possibilidade é trabalhar com projetos de trabalho (proposto por Hernandez) ou projetos de aprendizagem também abordados pela professora Dra. Léa Fagundes, uma vez que os alunos identificam o que sabem, o que não sabem e o que precisam/querem saber sobre um determinado assunto, delineando a partir daí um roteiro de pesquisa.

  • Salete disse:

    Como professora de Redação, eu encorajo meus alunos a procurarem informação na internet. Entretanto, deixo claro que diante do material obtido, devem redigir o texto deles com suas próprias palavras, de modo original.
    Se eu perceber que foi uma cópia, anexo o texto da internet e dou zero.
    Nos anos iniciais, antes de pedir algum trabalho, distribuo um texto com uma situação hipotética em que um aluno vê seu texto copiado por outro. Em geral, percebem com muita nitidez como é ruim o plágio, ficam indignados. Promovo uma discussão sobre o assunto, falamos sobre ética, direitos autorais.

  • Salete disse:

    Como professora de Redação, eu encorajo meus alunos a procurarem informação na internet. Entretanto, deixo claro que diante do material obtido, devem redigir o texto deles com suas próprias palavras, de modo original.
    Se eu perceber que foi uma cópia, anexo o texto da internet e dou zero.
    Nos anos iniciais, antes de pedir algum trabalho, distribuo um texto com uma situação hipotética em que um aluno vê seu texto copiado por outro. Em geral, percebem com muita nitidez como é ruim o plágio, ficam indignados. Promovo uma discussão sobre o assunto, falamos sobre ética, direitos autorais.

  • wellington disse:

    bem que podia ter nesse site de busca mais assuntos internacionais

  • Márcia Frota disse:

    Como professora e especialista em Informática na Educação devo parabenizar todo ação pedagogica que utiliza a telemática em ambientes de aprendizagem. Penso que a internet favorece a autonomia, a integração em comunidades virtuais de aprendizagem e a apropropriação global do conhecimento. Integrado a um projeto pedagógico os recursos da informática favorece a construção cooperativa do conhecimento. Devemos contudo adequar as situações para que o aluno seja capaz de avaliar criticamente o material disponivel como fonte de pesquiza.

  • Profª. Elizabet Almeida de Araujo disse:

    Levando em consideração que cada pessoa encontra uma maneira diferente para aprender, para perceber o mundo, para refletir, analisar, atuar,em fim, cada pessoa faz o que pode, o que é possível fazer em determinada fase de sua vida. O mundo virtual é um mundo de muitas informações ao mesmo tempo, a pessoa o usa, acreditando que é a melhor maneira possível no momento. Acho que o aluno que copia um trabalho, talvez esteja sem tempo para pesquisar, ou o assunto exigido não seja de seu interesse. Acredito que tudo faz parte de um processo de evolução e todos ao seu tempo encontrarão o prazer em pesquisar e criar seus próprios trabalhos.

  • Flávia Aidar disse:

    Gostaria de dirigir meus comentários particularmente à Carolina, Wagner, Helena e Mary Grace, pela sintonia que temos tanto com a posição da profa. Monica Mandaji, como com a proposta que apresentamos aqui no Yahoo Busca Educação. Imagino que vocês já tenham navegado neste blog e tiveram a chance de visitar as sugestões de atividades que propomos e até feito o download do Manual de Pesquisa na Internet proposto por este Programa, o Yahoo Busca Educação, que tratam exatamente da melhor forma de fazer pesquisa se valendo também da intenet como fonte.
    Friso o também, pois acredito que a internet, embora dê conta de publicar diferentes suportes de texto, imagem e som, não substitui totalmente os livros, filmes, CDs, jornais, até porque, o melhor dela não é só reproduzir o que existe em outros formatos e lugares, mas propor uma linguagem que lhe é própria e favorece outros saberes, além dos conteúdos propriamente ditos.
    Flávia Aidar

  • Flávia Aidar disse:

    Gostaria de dirigir meus comentários particularmente à Carolina, Wagner, Helena e Mary Grace, pela sintonia que temos tanto com a posição da profa. Monica Mandaji, como com a proposta que apresentamos aqui no Yahoo Busca Educação. Imagino que vocês já tenham navegado neste blog e tiveram a chance de visitar as sugestões de atividades que propomos e até feito o download do Manual de Pesquisa na Internet proposto por este Programa, o Yahoo Busca Educação, que tratam exatamente da melhor forma de fazer pesquisa se valendo também da intenet como fonte.
    Friso o também, pois acredito que a internet, embora dê conta de publicar diferentes suportes de texto, imagem e som, não substitui totalmente os livros, filmes, CDs, jornais, até porque, o melhor dela não é só reproduzir o que existe em outros formatos e lugares, mas propor uma linguagem que lhe é própria e favorece outros saberes, além dos conteúdos propriamente ditos.
    Flávia Aidar

  • Flávia Aidar disse:

    Concordo com você, Marcia, e é exatamente esta a nossa proposta aqui no Yahoo Busca Educação, colaborar para que professores possam refletir sobre seu papel de orientador de pesquisa neste e em outros meios, oferecendo condições para que os alunos pensem, pesquisem, reflitam, produzam e voltem a refletir sobre as questões/problemas que lhe foram propostos. O comentário da Mary Grace, é neste sentido, extremamente interessante, pois nos leva a questionar qual deve ser o papel do professor e da pesquisa no processo de formação do aluno/educando.
    Flávia Aidar

  • VILMA TENANE PRADO disse:

    Olá, tudo bem?
    Eu sou mestranda em educação, venho pesquisando sobre Novas Tecnologias na Educação Matemática. Gosto muito como você vêm reportando as Novas Tecnologias na Área da Educação. O assunto me fascina.
    Venho aproveitar o espaço para deixar registrado o meu parabéns, pela sua contribuição nos programas de formação de professores.
    Uma sala de aula de qualidade precisa de professores bem preparados, motivados e com formação pedagógica atualizada.
    Os trabalhos em sala de aula com o apoio da Internet é muito gratificante, e cria uma situação de reflexão para o professor e para o aluno.
    Boa Sorte!
    Professora Vilma.

  • denise paprotzki mattos disse:

    Parabéns pelo trabalho da amiga Mônica Mandaji e merecedora de tantos elogios.
    Um abraço,
    Denise Paprotzki Mattos
    CEFET-SP Uned Cubatão

  • Emanuel disse:

    Gostaria de ter um programa de matemática do 7º ano pra poder aprender e me divertir melhor!!!

  • Emanuel disse:

    Gostaria de ter um programa de matemática do 7º ano pra poder aprender e me divertir melhor!!!

  • Raimundo Riedel disse:

    Estou querendo termina o ensino médio pois parei no 2º ano e não tenho tempo pra estudar normalmente tem alguma opção pelo internet para mim fazer concluir o 3º ano ?
    um abraço e gostaria de resposta.

  • cristiane nascimento da silva disse:

    acredito que a tecnologia assim como a internet pode posssibitar não só conhecimentos novos, mais a pesquisa em si pode transformar e altera-los, basta orientar o discente para que não se sinta pertubado com as facilidades obtidas e produza seu proprio artigo, texto, etc. Pois ele tem que saber que adquire em seu ser um grande potencial.

  • PessoAll…
    Acredito que o professor possa incentivar os alunos a ver a Internet com outros olhos, como, por exemplo, a construção feita pelo meu filho Augusto, no blog dele, o texto chama-se Violência – epidemia que mata muitos jovens.
    A professora passou o tema violência na adolescência e pediu para que escrevessem argumentos a respeito do porquê da ocorrência das brutalidades na juventude, infelizmente, não foram indicados endereços para a pesquisa, no entanto, enquanto conversava acerca da atividade, pedi para que buscasse textos na Internet que confirmariam as argumentações que havia escrito.
    Utilizou buscadores, leu os “achados”, usou os títulos dos textos e criou “hiperlinks” remissivos, um modo de respeitar a autoria e referenciar as idéias…
    O resultado está no seguinte endereço:
    http://spaces.msn.com/augustocmga/
    Podemos trabalhar essa atividade em sala, o professor pode buscar textos que tenham argumentos pertinentes, gravar no My Web 2.0*, salvar e compartilhar com os alunos… Espero ter ajudado com essa sugestão…
    Até mais…
    ========================================
    *http://myweb2.search.yahoo.com/

  • Ivaneide disse:

    Sou acadêmica de pedagogia e estou querendo fazer o mestrado em Informática na Educação, gostaria de receber informções sobre o assunto como: quais livros, como faço p/fazer o mestrado.
    Estou espenando resposta

  • tereza cristina disse:

    Acredito que as novas tecnologias vem contribuir muito para educação, pois é atravez delas que muitas passoas conseguem ter um conhecimento global que é a educação a distância.Acho muito interessante o uso do computador como ferramenta , pois ele pode proporcionar, a nós futuros educadores, criatividade para que possamos implementar novas metodologias que facilitem a aprendizagem do aluno.O computador como ferramenta de ensino está, de certa forma, revolucionando o setor educacional e quebrando dogmas como o professor “transmissor de conhecimento”, pois em sua concepção o computador, relacionado a aprendizagem, ajuda o aluno a explorar de sua propria maneira esse objeto, criando autonomia e interrese pelo o que está sendo estudado não precizando de um “transmissor” mas de um “instrutor” que facilite sua aprendizagem.
    Tereza Cristina Curso de Pedagogia da Universidade Federal Do Pará

  • anatelma disse:

    Sou professora de Língua Portuguesa, às vezes ouço comentários como: “A internet é uma ameaça à Língua Portuguesa”.
    O que vocês acham disso?

  • adriana figueiredo disse:

    SOU PROFESSORA DE SOCIOLOGIA E DO ENSINO FUNDAMENTAL. ESTOU CONCLUINDO A PÓS GRADUAÇÃO EM MÍDIAS NA EDUCAÇÃO. E DEIXO UM COMENTÁRIO AOS PROFESSORES AQUI. SERÁ QUE O LIVRO DIDÁTICO ESTÁ COM OS DIAS CONTADOS? RELATE .
    ABRAÇOS. ADRIANA
    MONTES CLAROS- MG

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Internet na sala de aula para universidades e ensino médio no Pesquisa Educação.

Meta

%d blogueiros gostam disto: