Põe pra rodar!

15/05/2006 § 8 Comentários

video1-small.jpg

Atividade Sugerida – “O vídeo ajuda o professor, atrai os alunos, mas não modifica a relação pedagógica.” (Edgar Morin)

O que Edgar Morin quis dizer? Na verdade, saber usar o vídeo em sala de aula é o que faz a diferença. O que será que é preciso saber para usar o vídeo, a internet, o cinema, o jornal etc. na sala de aula? Para que, de fato, se estabeleça uma relação pedagógica consistente, inteligente, produtiva e crítica? (Saiba mais sobre o autor Edgar Morin).

É necessário que o professor conheça os elementos que compõem a linguagem videográfica, saiba identificar o gênero a que o vídeo escolhido pertence, bem como seja capaz de contextualizar sua respectiva produção. E assim proceda como todos os outros tipos e suportes de textos e de imagens.


Cinema e vídeo, via internet, na sala de aula
Desde há algum tempo e cada vez mais utilizados, filmes e vídeos são valiosas ferramentas para o trabalho pedadógico. Porém, é sempre bom lembrar e sistematizar metodologicamente as possibilidades de uso desses recursos em sala de aula e, mais do que isto, entender o cinema, o vídeo, a TV, a internet, como linguagens que precisam ser lidas e entendidas de forma sensível e crítica por alunos e professores.
Com a parceria que o Yahoo! Busca Educação acaba de fazer com o portal Klickeducação, fizemos um roteiro para o repertório de filmes e vídeos qualificados e indicados para o público de educadores.
O cinema e o vídeo na sala de aula – de que estamos falando?
Se a escola, por um lado, já tem familiaridade com o livro e com o texto e sabe, na maior parte das vezes, como introduzi-los e aprensentá-los aos alunos, isto é, informando-os ou solicitando que eles busquem saber quem é o autor e em que circunstâncias (contexto) tal texto ou livro foi produzido, por outro lado, os vídeos e os filmes são projetados como “conteúdos animados” sem contudo capacitarem os alunos à leitura da linguagem videográfica e portanto sem que possam ser compreendidos e criticados esteticamente (forma como é apresentado determinado conteúdo), e politicamente (seu contexto de produção).
A projeção de filmes e vídeos, principalmente quando pertencem ao gênero documentário, são na maior parte das vezes apresentados aos alunos como a mais veemente expressão da verdade sobre este ou aquele fato, pois a articulação de imagens em movimento e depoimentos dados por personagens reais lhes confere a aura da mais irrefutável noção de “fato histórico” e portanto de “verdade indiscutível”.
Na esteira desses equívocos o que vemos é o fato da escola se omitir da necessidade de “alfabetizar visualmente” crianças e jovens de maneira que eles possam compreender e apropriarem-se criticamente dos recursos e elementos da linguagem de que se valem os produtos audiovisuais, que hoje imperam e povoam o cotidiano de todos nós.
Mais do que entreter e “modernizar” as práticas pedagógicas, por “pra rodar” um filme ou vídeo em sala de aula, requer que o professor entenda com quais linguagens ele irá trabalhar e ofereça aos seus alunos um roteiro de procedimentos que devem ser observados para um trabalho produtivo e crítico.
video2.jpg
Luz, câmera, ação!
Testando! Veja abaixo algumas dicas para uma projeção sem problemas:
– Lembre-se de checar previamente as instalações onde vai projetar o vídeo: sala, equipamento, luz, som e a própria fita de vídeo ou DVD, de forma que tudo funcione sem provocar dispersões desnecessárias no grupo de alunos.
– Faça sempre uma breve apresentação do que verão procurando despertar a curiosidade e a atenção do grupo.
– Quando se tratar de um tema que exige o uso de vários vídeos ou de vários trechos deles, selecione-os previamente.
Audiovisual – que linguagem é esta?
Preparar o ambiente e se assegurar de que todos os dispositivos técnicos estão funcionando é tão importante quanto as questões que sugerimos abaixo como formas de se explorar a linguagem videográfica. Vejam:
* Quem é(são) o(s) autor(es)?
* Quem é o diretor?
* Quem são os produtores?
* De quem é o roteiro?
(Na ficha técnica do vídeo você consegue localizar estes e outros dados que são importantes referências para a sua contextualização).
* Do que trata o vídeo? (Por meio desta pergunta, o tema do filme é revelado).
* Como o tema foi abordado? (Esta pergunta orienta o grupo a identificar os argumentos, os personagens, as relações entre imagens, textos, recursos de áudio etc. de que se valeram para a sua produção).
* Quais e como foram usados os elementos e recursos de que se compõe a linguagem videográfica? Como se apresentam os planos, as sequências, os efeitos de luz e som, cenários, trilhas sonoras etc.?
* Em qual categoria o vídeo melhor se encaixa? Ficção, documentário, científico, artístico?
(Vale lembrar que os vídeos mesmo quando se auto definem como documentários, devem ser vistos como uma interpretação autoral, Isto é, mesmo compostos de sequências de entrevistas com personagens reais e imagens que retratam acontecimentos históricos, a seleção e a edição que o autor, o roteirista, o diretor propõem são escolhas autorais e não a “própria realidade”).
Como o vídeo pode ser introduzido na sala de aula?
Para começar, é bom lembrar das várias maneiras e dos diversos objetivos com que se pode levar filmes e vídeos para a sala de aula:
1 – Sensibilização: é o uso estratégico do vídeo, isto é, quando o filme serve para introduzir determinado assunto e por meio dele despertar o interesse para o que se quer trabalhar. Este é um expediente bastante produtivo para professores e alunos.
2 – Conteúdo: uso do vídeo como portador de informações e conteúdos que, de alguma forma, e articulado a outros conteúdos já introduzidos anteriormente, é oferecido como objeto de estudo em si mesmo. Vale lembrar da importância de ser trabalhado tanto na sua dimensão de suporte de informações como de linguagem artística e portanto revelador de um olhar autoral sobre o assunto em questão.
3 – Formação de conceitos: o vídeo aqui traz, do ponto de vista temático, o conteúdo ou parte dele que se quer trabalhar em sala de aula. Por meio de animações, imagens, trilha sonora, textos etc. (elementos próprios da linguagem videográfica), colabora para que determinado conceito seja mais facilmente compreensível pelos alunos e a partir dele se amplie a compreensão e o debate sobre o tema em questão.
4 – Contextualização/Ilustração: vídeos que se propõem à construção de cenários que dificilmente os alunos teriam acesso. Seja o fundo do mar, Roma antiga ou mesmo lugares distantes geograficamente, se oferecem como recursos que favorecem a compreensão e colaboram para o entendimento dos contextos geográficos e históricos em que acontecem determinados fatos ou realidades.
5 – Simulação: é a técnica de estudar o comportamento e reações de um determinado sistema através de modelos que imitam, na totalidade ou em parte, as propriedades e comportamentos deste sistema em uma escala menor, permitindo sua manipulação e estudo detalhado. Na área de Ciências e Estudos da Natureza, vídeos mostram em minutos o que levaríamos meses para observar e o fazem de maneira tão clara e concreta que os alunos aprendem com maior facilidade.
6 – Expressão: os vídeos podem ser produzidos também pelos alunos. Dominar a linguagem videográfica e saber usar seus recursos, tais como: enquadramento, luz, cor, texto, trilha sonora, efeitos visuais, construção de roteiro, edição, seleção de cenários e de atores, além de muitos outros elementos, são importantes recursos pedagógicos. Por se tratar de uma produção que exige o trabalho em equipe, torna-se também relevante para outras dimensões da educação.
7 – Registro/Documento: o vídeo também pode ser usado como registro de experiências e de trabalhos e portanto como produtos de avaliação da tarefa ou do processo de elaboração da atividade.
video3.jpg
Enquete: uso de vídeo da internet como recurso pedagógico
1 – Você usa o vídeo como recurso pedagógico? Em que disciplina? Com que frequência?
2 – Você usa o vídeo disponível na internet como recurso pedagógico?
3 – Quais os critérios que o levam a selecionar os vídeos que você leva para a sala de aula?
4 – Como você avalia o seu trabalho com estes recursos?
Participe!
1 – Lance mão da busca do Yahoo! Brasil e selecione um ou mais filmes que podem ser aproveitados para você elaborar uma atividade com o uso de vídeo em sala de aula em alguma das dimensões que sugerimos no texto. Por exemplo, o uso do vídeo como “Simulação” ou como “Sensibilização”.
2 – Visite o portal Klickeducação e selecione um filme dentro da seção multimídias, na galeria de vídeos para bolar sua atividade. Sua sugestão será publicada no blog e você poderá divulgar seu trabalho com grande destaque.
Por Flávia Aidar, coord. pedagógica do Yahoo! Busca Educação
Imagens: Morguefile.com e Stock.Xchng

Anúncios

§ 8 Respostas para Põe pra rodar!

  • pile disse:

    sou coordenador da eja,gostaria de saber mais sobre plano de aula primeiro e segundo seguimento

  • adriano jose da silva disse:

    Gostaria de dicas que facilitariam o aprendizado de química no ensino fundamental II

  • simone Wendrechovski disse:

    E os programas de TV, educam? Qual a relação com a aprendizagem?

  • Flávia Aidar disse:

    Oi Simone, a discussão sobre o papel das mídias, incluindo aí a TV, no processo de ensino-aprendizagem, está sempre em questão. Acredito que dependendo da proposta que temos tudo pode ser educativo, a começar por criticar o conteúdo essencialmente e apenas de “entretenimento” a que os canais abertos se dedicam no País. Sabemos que todos são concessões públicas e deveriam, embora de forma livre, estarem alinhados a propostas educativas, considerando o pontencial de alcance das TVs e a situação da educação brasileira, não é?
    Um abraço, Flávia Aidar

  • Michele Villanova disse:

    O Festival de Vídeo Estudantil e Mostra de Cinema – Guaíba/RS, que está na 6ª edição, busca debater e apresentar novas propostas para o uso da mídia na educação.
    Alunos que produziram seus próprios vídeos poderão inscrever-se na Mostra Estudantil ou na Mostra Infantil, conforme nosso regulamento.
    Os professores podem inscreve-se na Mostra Projeto Professor e também podem participar do seminário que acontecerá durante o Festival.
    Durante o ano inteiro a comissão organizadora realiza mostras e oficinas de vídeos nas escolas.
    Para mais informações acesse http://www.festvideoguaiba.com.br
    Oficina de Vídeo – http://www.explorerproducoes.com.br

  • Helaine Ferreira Hassen Dam disse:

    Bom dia!
    Estou precisando de ajuda para organizar um programa para O dia dos pais da escola onde trabalho. um programa que seja prazeroso tanto para os pais como para as crianças.
    Este dia será realizado em um campo de grama sintética, onde estará todos os pais de alunos, ou seja, Creche, Educação Infantil e Ensino Fundamental.
    Desculpe mas não consigo pensar em algo melhor do que oficinas e sendo oficinas creio que o local poderá ser explorado de uma outra forma: Que se divirtam brincando, comendo e fazendo algo que fique em suas memórias.
    Desde já agradeço a atenção!!

  • Sonia disse:

    Gostaria de algumas sugestões para dia dos pais e cantigas de rodas dramatizadas.Para crianças de 6anos.

  • Profª Claudia disse:

    Gostaria de receber modelos de lembrancinhas para o dia dos pais, algo diferente e interessante. Desde já agradeço.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

O que é isso?

Você está lendo no momento Põe pra rodar! no Pesquisa Educação.

Meta

%d blogueiros gostam disto: